Por Chiara do Vale

Com o advento da internet observamos um intenso progresso informacional em todas as áreas, como, por exemplo, na comunicação, tecnologia, ciência, dentre outros. Nesse ambiente de avanço que a sociedade se encontrava, e ainda se encontra, diversos setores se desenvolveram em nível nunca antes observado na história da humanidade. 

No entanto, com todo esse progresso surgiram, também, diversas problemáticas mundiais, principalmente no que se diz respeito a segurança das informações veiculadas no meio cibernético. 

Nos últimos anos nos deparamos com inúmeros escândalos relacionados ao vazamento de dados por grandes empresas do setor da tecnologia, como foi o caso da multimilionária empresa do Mark Zuckerberg, o Facebook. Em novembro de 2016, Donald Trump foi eleito nos Estados Unidos, fato que contrariava todas as pesquisas realizadas na época. 

Meses depois se tornou de conhecimento público que a empresa Cambridge Analytica utilizou dados pessoais de usuários do Facebook para fortalecer sua campanha eleitoral através de publicidade. Esse escândalo ganhou escala mundial, fazendo com que todos os olhos do mundo se voltassem para essa grande problemática moderna: a privacidade e a segurança de dados. 

Dois anos depois, em 2018, nasceu no Brasil a Lei Geral de Proteção de Dados, a LGPD.  

O que é a Lei Geral de Proteção de Dados?

Essa lei, é um marco legal de extrema importância para a proteção, o uso e o tratamento de dados pessoais pelas organizações brasileiras. Para entendermos a LGPD, é necessário, inicialmente, compreender o conceito de dados pessoais e quais são esses dados. 

A lei define dados pessoais como: qualquer tipo de informação relacionada a um indivíduo que possa, de forma isolada ou em conjunto com outros dados, definir sua identidade.

Alguns exemplos de dados pessoais são: 

  • nome;
  • endereço; 
  • endereço de e-mail; 
  • dados de cadastro; 
  • telefone; 
  • número de documentos (RG, CPF, entre outros); 

Com a LGPD fica proibida a utilização desse tipo de dados para fins de marketing sem a prévia autorização do utilizador. Essa regulamentação é de extrema importância, pois preenche uma grande lacuna legal e evita que situações como as que ocorreram no passado se repitam.

As empresas já estão atualizadas em conformidade com a LGPD? 

Nesse sentido, as empresas estão buscando se atualizar rapidamente, porém, por se tratar de um momento de transição, muitas delas ainda não se adaptaram a essa nova realidade. Ao contrário de grande parte das empresas, a Faceponto, devido ao seu vasto respaldo jurídico, conseguiu, velozmente, adaptar-se a essa importante inovação para o mercado tecnológico e jurídico obedecendo todas as regras estabelecidas na LGPD. 

Com isso, a Faceponto oferece, além de um gerenciador de jornadas extremamente eficiente, onde a empresa pode centralizar toda a gestão de RH, um armazenador de dados, onde seus clientes são capazes de utilizar tais informações para a construção da sua estratégia de inteligência de negócios. 

O sistema Faceponto está, desde o início de 2021, inteiramente adequado à lei geral de proteção de dados para te ajudar com os dados da sua empresa e te proteger de possíveis problemáticas legais, atenuando, drasticamente, as preocupações referentes ao vazamento de dados e questões de privacidade. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *