Por Fernanda Duda

Na ponta inicial do RH está o processo de recrutamento e seleção, que é o conjunto de atividades que visa encontrar as pessoas mais adequadas para preencher as vagas disponíveis na empresa. Uma contratação mal feita afeta a rotina da organização e do trabalho, afeta as relações interpessoais e até mesmo as estratégias de expansão do  mercado. Por outro lado, seguindo boas práticas e utilizando as ferramentas adequadas, o processo se torna um importante aliado do negócio, garantindo benefícios tanto a curto quanto a médio e longo prazo. 

Entre esses benefícios de um recrutamento bem estruturado está a redução de custos, que é sempre uma das metas de qualquer empreendedor. O uso das ferramentas e procedimentos adequados faz com que o RH gaste menos tempo e recursos no preenchimento das vagas, pois os analistas conseguem gerenciar melhor a demanda e aumentar sua produtividade. 

Além disso, em uma era na qual os jovens tendem a não se manter por muitos anos em uma mesma empresa, a retenção se transformou em uma das maiores dificuldades do RH. A melhor forma de mitigar o problema do turnover – fluxo de entradas e saídas dos funcionários – é atacando uma das causas-raiz: a falha na seleção. Um profissional bem contratado se mantém satisfeito com sua admissão por muito mais tempo e consegue se desenvolver e crescer internamente, o que é de grande interesse para a empresa.

É de suma importância trazer à discussão, também, uma técnica muito utilizada na área comercial, o funil de vendas, que foi adaptado para o ambiente de recursos humanos a fim de apoiar o processo de recrutamento e seleção. Dividido em cinco etapas subsequentes, o funil pode ser customizado de acordo com a dificuldade e complexidade da vaga. 

A primeira é a etapa da atração, onde deve-se investir em mecanismos de marketing para converter os visitantes em leads (potenciais candidatos). O segundo passo é a análise comportamental, uma vez que competências técnicas são fundamentais para que o colaborador realize suas atividades com qualidade, mas as soft skills ou competências pessoais determinam as atitudes que esta pessoa apresenta dentro do ambiente de trabalho.

Essa etapa pode ser otimizada quando a plataforma de captação de currículos está parametrizada com campos que demonstrem tendências comportamentais como comunicação, criatividade e trabalho em equipe, demonstrando o perfil comportamental do candidato. Há ferramentas específicas para esta etapa,como a de Mapeamento de Gestão Comportamental.

O próximo passo é presencial: a entrevista. Neste momento o candidato precisa realmente mostrar quem é, o que sabe, quais suas experiências e como pode efetivamente contribuir para a empresa. Como última etapa, depois de escolhido o candidato ideal para a vaga, existe o processo de onboarding, que nada mais é do que o momento de acolher o novo colega de trabalho e ajudá-lo na adaptação.

Diante de todo o exposto até aqui, fica claro que contratar a pessoa certa para determinado cargo é essencial para o sucesso de qualquer empresa, independentemente de seu porte ou área de atuação. Isso porque, quando essa ação é bem executada, o negócio colhe diversos benefícios, como aumento de produtividade no trabalho e redução do turnover. Muito embora o recrutamento e seleção possam ser processos delicados, que envolvem encontrar um profissional que tenha os conhecimentos e habilidades adequados e que também esteja alinhado com os valores da empresa, existem diversos mecanismos que podem ser grandes aliados na otimização desse processo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.